Menu

vivendodebemcomavida.com.br

Cartilha lançada pelo Inca sobre o câncer de próstata destaca o Novembro Azul

O mês de novembro foi marcado com o movimento do programa Novembro Azul, que foi desenvolvido com o intuito de alertar os homens para a importância de se prevenirem contra o câncer de próstata. De acordo com dados da PNS – Pesquisa Nacional de Saúde 2013, o câncer de próstata é o que mais afeta os homens aqui no Brasil, respondendo por 36,9% dos casos de câncer em homens com mais de 18 anos. A PNS é divulgada pelo IBGE e somam a dados do Ministério da Saúde, que apontam 14.484 mortes de homens em 2015 devido a está doença.

O programa Novembro Azul foi criado na Austrália em 2003 e vários países passaram a aderir ao programa. A proposta desta campanha é reverter esses números e conscientizar cada vez mais os homens da importância de se prevenir e de fazer os exames de rotinas. O Inca – Instituto Nacional do Câncer – apoia esta campanha e passou a lançar a cartilha “Câncer de Próstata: vamos falar sobre isso?”, para que a sociedade saiba mais sobre esta doença e outras formas de câncer discutidas no Dia Nacional de Combate ao Câncer, que ocorre no dia 27 de novembro.

Em 2016, o Inca fez um levantamento com estimativas de 61.200 novos casos de câncer de próstata no Brasil. Esses números de casos são 3.240 a mais se comparados com os casos mais recorrente entre as mulheres, o câncer de mama. De acordo com o Inca, no ano de 2016, foram registrados 57.960 casos de câncer de mama. Em comparação com a campanha Outubro Rosa, a campanha Novembro Azul ainda não tem o mesmo peso em divulgação.

A prevenção do câncer de próstata segue pontos específicos na cartilha, pontos que são fatores comuns na opinião dos profissionais na área de saúde. Dentre esses pontos, uma alimentação saudável, ter o hábito de praticar exercícios físicos e não fumar são os pontos que devem ser seguidos na luta contra esta doença. O sobrepeso, a obesidade, casos constatados de câncer na família somados a uma idade mais avançadas, também colocam o homem em um fator mais elevado de risco.